Edição 98 – Um compêndio do Vaporwave, e apropriação musical.

No ano passado, já em Novembro, reeditou-se um trabalho fundador do que, mais tarde, se veio a denominar de vaporwave: Chuck Person’s Eccojams Vol. 1. Chuck Person, um pseudónimo do músico Daniel Lopatin (Oneohtrix Point Never), reapropriou a música pop dos anos 80 e 90, cortou-as e tornou-as mais lentas, e daí surgiu a matriz impessoal e narcotizada que, mais tarde, teve especial relevo em FLORAL SHOPPE, de MACINTOSH PLUS (Vektroid). Este, um autêntico bastião do vaporwave como a sua referência mais imediata, levou o eccojam mais longe e pretendeu torná-lo musical. São dois discos que resumem este movimento artístico (e não apenas musical, dada a forte componente visual, em vídeo e nas capas dos discos, que compõem a obra): a reciclagem de outros trechos musicais e sua recontextualização à luz da nostalgia, a velada crítica reaccionária à moral capitalista, e o desejo de daí ver surgir algo novo, com méritos próprios. De certa forma, poder-se-á considerar como um efémero e primeiro regurgitar de contra-cultura da década, um interessante fenómeno da nossa cultura mediática.

Por isso, dedicamos-lhe quase integralmente esta edição do podcast, com um desvio inicial para a nova música de Hannah Diamond, uma escolha não inocente para o alinhamento.

Tomando como ponto de partida os dois supramencionados e ainda James Ferraro, cujo Far Side Virtual propõe uma narrativa anti-capitalismo, tecnófoba e hiper-consciente, seguimos em busca de outros trabalhos que possam ajudar a definir o género e outras estéticas associadas mas não necessariamente dependentes da matriz do eccojam. Essa necessidade de experimentar surge logo nos dois primeiros nomes, Laserdisc Visions 情報デスクVIRTUAL, outros pseudónimos artísticos de Vektroid. New Dreams Ltd. dedica-se a criar a mesma atmosfera cristalina, feérica, ainda que pervertida por vozes e outros sons alheios à sua narrativa principal, e 札幌コンテンポラリー opta pela abordagem via jazz, uma porventura intencional réplica da música de elevador (musak), que é também pelo vaporwave satirizada.

Seguem-se outros nomes influentes ou importantes no movimento: 骨架的 (em inglês, skeletal) surge sensivelmente na mesma altura de Chuck Person, numa estética menos abrasiva e mais catártica, embora Mediafired pareça seguir e aprofundar as possibilidades exploradas pelo eccojam (e cuja edição física terá sido primeiramente garantida numa editora portuguesa, a Exo Tapes, para mais tarde ser reeditada na Beer on the Rug, casa de Lopatin, Vektroid, entre outros); mais tarde, o combo Saint Pepsi/Luxury Elite, que propõem o funk e a música de dança como caminho possível, e ainda 蜃気楼MIRAGE death’s dynamic shroud.wmv.

Para terminar, não podíamos deixar de dedicar atenção a dois dos trabalhos fundadores. FLORAL SHOPPE tem, além de リサフランク420 / 現代のコンピュー, momentos marcantes e até sublimes; e Chuck Person’s Eccojams Vol 1, se ignorarmos a sua excessiva formalidade, é também um registo no qual nos podemos perder e, até, consigo criar laços. Por sugestão da Porto Calling, a mais incrível loja de vinil do país, tivemos ainda John Oswald, um nome obrigatório quando se fala no plunderphonics, uma técnica que refere ao que já existia quando nos abstraímos da componente narrativa do vaporwave: apropriação de registos sonoros anteriores por forma a edificar algo novo. Há quem, até, associe esta técnica ao pós-modernismo, que é primeiramente uma referência ao universo literário e pode significar uma renúncia a uma narrativa estabelecidada, à não-linearidade. E, como despedida, um exemplo que precede ainda Oswald: os The Residents, experimentais por definição, que tomam conta do catálogo dos Beatles e o profanam. Duas belíssimas experiências que fecham este programa.

Espero que gostem!

  1. Hannah  Diamond – Make Believe (2016)
  2. Laserdisc Visions – Tingri (New Dreams Ltd., 2011)
  3. Laserdisc Visions – Laserdisc Visions (New Dreams Ltd., 2011)
  4. 情報デスクVIRTUAL – 札幌地下鉄・・・「ENTERING FLIGHT MUSEUM」(札幌コンテンポラリー, 2012)
  5. 骨架的 – fountain (Holograms, 2010)
  6. Mediafired – Spring is Here (The Pathway Through Whatever, 2011)
  7. Luxury Elite – Nightlife (Late Night Delight, 2013)
  8. Saint Pepsi – Enjoy Yourself (Late Night Delight, 2013)
  9. 蜃気楼MIRAGE – お土産 8 (忘れテープ, 2016)
  10. death’s dynamic shroud.wmv – SCREENSHOT FOLDER (VIRTUAL UTOPIA EXPERIENCE, 2014)
  11. Chuck Person – A2 (Chuck Person’s Eccojams Vol. 1, 2010)
  12. MACINTOSH PLUS – 数学  (FLORAL SHOPPE, 2011)
  13. John Oswald – Dab (Plunderphonics, 1989)
  14. The Residents – Beyond The Valley Of A Day In The Life (The Third Reich ‘n Roll, 1975)

Para leitura:

Adam Harper, na Dummy Mag: Comment: Vaporwave and the pop-art of the virtual plaza |  Simon Chandler, no Bandcamp: Genre As Method: The Vaporwave Family Tree, From Eccojams to Hardvapour | Ainda Chandler, sobre os subgéneros do vaporwaveGenre As Method: The Vaporwave Family Tree, From Eccojams to Hardvapour

98.jpg

Anúncios

One thought on “Edição 98 – Um compêndio do Vaporwave, e apropriação musical.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s